Pesquisar neste blog

Pesquisas

Saberes docentes e aprendizagem na matriz de experiência inclusiva (2015 - atual)

O projeto de pesquisa é um desdobramento da investigação desenvolvida pelo Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão (GEPI/CNPq). A partir de narrativas produzidas por docentes que possibilitam perceber processos de subjetivação que naturalizam práticas de inclusão escolares, percebeu-se que pouco se sabe sobre os saberes escolares que permitem aos docentes criarem e inovarem nas formas de trabalhar com todos na escola. Muitos são os investimentos sobre os conhecimentos legitimados pela academia e pouco são os investimentos e os registros dos saberes que circulam nas escolas, constituintes do cotidiano das práticas escolares. Também poucos são os registros no campo da educação escolar sobre as práticas de aprendizagem mobilizadas nas relações de uns com os outros. Diante de tal constatação e diante da necessidade de conhecermos, desde o campo da educação, os entendimentos que circulam sobre aprendizagem, propomos a presente pesquisa que tem como problema central de investigação: de que modo os saberes docentes, engendrados no cotidiano escolar e no trabalho com as diferenças na escola, constituem o conceito de aprendizagem? Além desse, quais são as condições de emergência e de procedência para os conceitos de aprendizagem que circulam nas escolas? Como objetivo geral propõe-se: conhecer e problematizar os saberes docentes mobilizados nas práticas escolares sobre, bem como conhecer as condições de possibilidade para os contornos atuais do conceito de aprendizagem no campo da educação e da pedagogia. Para tanto, a partir de uma perspectiva metodológica arquegenealógica e tomando as ferramentas do discurso e da subjetivação, analisar-se-á mais de uma centena de narrativas docentes, bem como se analisará a literatura sobre aprendizagem desde a perspectiva da educação, sistematizada principalmente no século XX, a partir das contribuições de John Dewey. Como meta a ser atingida com a pesquisa, pensa-se em produzir dados capazes de permitir uma conceituação sobre aprendizagem desde a perspectiva da educação, mas principalmente se pensa, ao destacar saberes docentes gerados nas práticas pedagógicas com distintos sujeitos, em contribuir para a qualificação dos processos de condução pedagógica e de aprendizagem gerados na escola para todos.


Inclusão: processos de subjetivação docente (2012 - atual)

A partir da confluência de dados produzidos em pesquisas desenvolvidas pelos pesquisadores do Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão (GEPI/CNPq) e do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES/CNPq) acerca da temática da inclusão escolar e social e da educação e inclusão linguístico-cultural de sujeitos surdos, contata-se a necessidade do desenvolvimento de novas investigações acerca da temática da inclusão escolar, mais especificamente, sobre os processos de subjetivação docente. Embora muitas pesquisas no campo da educação e da pedagogia tenham como foco a inclusão, ambas as áreas carecem de pesquisas que focalizem a conversão do sujeito professor às verdades que constituem a inclusão, entendendo esta como uma necessidade imperativa de Estado. Portanto, diante do interesse em conhecer os processos de subjetivação docente que ultrapassam aqueles constituídos nos cursos de formação de professores, propõe-se investigar os desdobramentos das políticas públicas de inclusão na sociedade brasileira, bem como problematizar os efeitos de tais políticas nos processos de subjetivação de docentes de escolas públicas brasileiras. Para tanto, ao empreender uma análise arqueogenealógica e operar com as ferramentas metodológicas da governamentalidade, normação, normalização e subjetivação, realizar-se-á uma análise de dois grupos de materiais: o primeiro é constituído por políticas de inclusão voltadas para a educação inclusiva, produzidas no Brasil, durante as duas últimas décadas; o segundo é constituído por narrativas de docentes responsáveis em materializar ações de inclusão e de educar sujeitos historicamente marcados pela discriminação negativa. Para as análises, partir-se-á da noção de inclusão como imperativo mobilizado pela escola, esta entendida como maquinaria moderna de objetivação e de subjetivação dos indivíduos. Como meta a ser atingida com a pesquisa, pensa-se em produzir dados capazes de subsidiarem novas políticas de inclusão educacional.